Um certo discurso sobre maternidade

Hoje gostaria de trazer algumas reflexões, fruto da pesquisa que tenho desenvolvido no momento sobre um certo tipo de desempenho da maternidade que tem sido muito frequente nos dias atuais. As reflexões aqui são apenas um start, uma degustação. .


Há uma modalidade de realização da maternidade - a maternidade ideal - que acaba por favorecer um discurso que gira em torno de um saber pronto, que supostamente dá conta de tudo. A maternidade ideal (entendam que está incluindo também os pais que maternam) a que me refiro pode ser entendida como aquela maternidade que se apoia nos manuais de pediatria, nutrição e nas variadas psicologias que promovem o bem dizer. São as mães que se orientam fielmente (ou ao menos tentam e quando não conseguem se sentem extremamente culpadas) pelo que dizem as nutricionistas, os pediatras, e os psicólogos infantis - muitas vezes, sobretudo esses últimos, são acessados através de livros que falam de forma generalizada, não considerando, portanto, a particularidade do caso de quem lê. .


A maternidade ideal se cerca de uma série infindável de « regras » de como é a melhor forma de fazer tal e tal coisa, com a certeza de que essa « forma determinada » pode previnir uma quantidade de situações indesejáveis ao longo do desenvolvimento da criança, situações sobretudo de ordem emocional, preocupação típica das mães e pais contemporâneos. .


Nessa modalidade não importa o trabalho, a dificuldade que representa realizar todas as « orientações » desses profissionais, ou dos livros orientador para educação de filhos, o que interessa é seguir a risca exatamente o que se supõe garantir a plena « felicidade », a certeza do « certo », a garantia de estar oferecendo « o melhor ». Aliás, o sacrifício, e « fazer das tripas coração » é justamente o que parece garantir o caráter de perfeição que a maternidade ideal pretende representar. E além disso, devo acrescentar, a ideia de que qualquer ausência da mãe pode ser um entrave significativo na vida da criança. O que quer dizer que esses pais e mães acreditam que tem que estar sempre presentes sempre disponíveis para as demandas dos filhos (continua nos comentários)

.